Home | | Opiniões ou Questões | Contacte-nos | Intranet | Email Login
Font size A | A | A

 Nota de Imprensa Imprimir



2004 -03 -01 [Voltar]
Estado actual da concretização da política de "Vistos Individuais" e da política de Turismo da RAEM

Graças ao apoio das autoridades centrais, o sector do Turismo de Macau tem vindo a evidenciar grande desenvolvimento desde da transferência da Soberania. O facto acentuou-se, especialmente, nos últimos tempos com a liberalização gradual do mercado turístico da China, o qual veio proporcionar-nos condições particularmente favoráveis. Depois do lançamento da política de "Excursões a Macau", em 2002, o Governo Central promoveu, a partir de 28 de Julho passado, a política de "Vistos Individuais", que foi sendo, desde então, sucessivamente alargada, estendendo-se já a 14 cidades da Provínica de Guangdong, a Pequim e a Xangai.

De acordo com as estatísticas oficiais, tem vindo a registar-se um aumento gradual de número dos turistas provenientes da China que optaram por visitar o Território em regime de "Visto Individual". Entre 28 de Julho e 31 de Dezembro do ano passado, o número dos visitantes com esse tipo de Visto, ultrapassou 600.000, dos quais, mais de 180.000 em Outubro, por ocasião da Semana de Ouro, aquando das Comemorações da Implantação da República Popular da China. De Janeiro a 26 de Fevereiro ultimo, o número dos turistas chineses vindos a Macau no mesmo regime ultrapassou 250.000; dado o alargamento daquela política às restantes 7 cidades da Província de Guangdong, prevê-se que esse número continue a aumentar.

Como é do conhecimento geral, como cidade turística que é, Macau possui já as condições básicas suficientes, designadamente, no que toca à logística e às infraestruturas. Graças ao empenhamento do Governo e à colaboração dos operadores do sector, realizaram-se diversos eventos promocionais, com resultados muito satisfatórios, tendo sido possivel recebermos, no último ano, mais de 10 milhões de visitantes. É neste contexto, que, depois de analizado o assunto nas diversas vertentes, se prevê que a nossa capacidade actual de acolhimento possa vir a responder ao futuro aumento do número de turistas resultante da maior liberalização da política de Turismo da China. Por outro lado, de acordo com dados estatísticos oficiais, essa política não provocou, em Macau, qualquer ameaça séria à segurança.

O Governo da RAEM continuará a reforçar a colaboração inter-Serviços, de modo a combater irregularidades no sector do Turismo e a defender os direitos dos turistas-consumidores. Para além disso, foi criado, pela Comissão de Apoio ao Desenvolvimento Turístico, um grupo de trabalho vocacionado para o estudo do mercado turístico da China, com ampla auscultação de opiniões e sugestões dos operadores, por forma a poderem efectuar-se os trabalhos necessários para que continue a corresponder-se à abertura do mercado chinês.

A DST prosseguirá, entretanto, a implementar os seus planos de trabalho. Além da resposta à abertura da política turística da China e de manter uma boa colaboração com os operadores do sector, está a planear novas acções ajustadas ao desenvolvimento da globalização do Turismo. De harmonia com as Linhas de Acção Governativa, e com base nas condições concretas do progresso do sector, a DST estuda, actualmente, a sua eventual reestruturação orgânica, de modo a vir a dotar de maior eficácia o funcionamento de todas as suas subunidades e a melhorar a sua eficiência.